quarta-feira, 14 de setembro de 2011

MIMO 2011 - Cobertura

Projeto Coisa Fina
O terceiro dia de concerto da MIMO 2011, reuniu 13 jovens músicos paulistanos que formam a Big Band - Projeto Coisa Fina para fazer daquela apresentação o melhor concerto da noite. Unindo ritmos do jazz ao baião, samba e maracatu o grupo fez uma merecida homenagem ao falecido maestro pernambucano Moacir Santos. Vestidos bem à vontade, cada um ao seu estilo, os rapazes esbanjavam entusiasmo e principalmente muita emoção por terem a grande oportunidade de se apresentarem na terra do seu ídolo. Abrindo o concerto o grupo tocou a música "Coisa nº2", do Maestro Moacir. Entre outras composições do maestro, representado pelo Projeto Coisa Fina, a música "Maracatucutê" sacudiu a platéia. Não só de composições do Maestro foi feita a apresentação, músicas de outros compositores também foram tocadas. Com vivacidade e suingue, o Coisa Fina abrilhantou os olhos de quem presenciou o concerto.

Sonoris Fábrica
O Grupo pernambucano Sonoris Fábrica foi o único representante do Estado a se apresentar na mostra deste ano. No Seminário de Olinda, o grupo formado por Sérgio Ferraz (violino), Leonardo Melo (violão), Márcio Silva (bateria) e Cláudio Negão (baixo elétrico), mostrou seu jazz nordestino, que passa por elementos do baião, xote, maracatu e frevo e a experiência sonora de cada um dos integrantes. O quarteto apresentou composições do seu primeiro CD, homônimo. Entre outras músicas, o grupo apresentou em seu repertório "Floresta do Navio", homenagem do violinista Sérgio à sua família que mora em Floresta, "Passo à Frente", um frevo alegre que animou o público e "Mestre Salu", como o nome já diz, uma homenagem ao Mestre Salustiano tocado ao ritmo do cavalo marinho. Toques de flamenco também foram expressos na música "Tango Flamenco", de Leonardo Melo. Com igreja cheia o Sonoris Fábrica mostrou que os pernambucanos, indiscutivelmente, possuem uma cultura à altura. Na opinião de Dona Nalva, 62 anos, olindense, que prestigia a MIMO há vários anos, gostou muito da apresentação do grupo, do som, dos ritmos, apesar de algumas músicas serem longas.

Alex Tassel
A apresentação mais aguardada da noite pelos trompetistas Pernambucanos presentes foi a do Alex Tassel, na Igreja da Sé. Acompanhado dos músicos Sylvain Beauf (sax), Laurent de Wilde (piano), Julien Charlet (bateria) e Diego Imbert (contrabaixo), o trompetista francês de 36 anos mostrou porque foi reconhecido pela crítica como o herdeiro de Miles Davis. Apresentando-se com exclusividade na MIMO 2011, exibiu em seu repertório composições de seu mais recente álbum duplo "Heads or Tails", iniciando com a música "Miles Around", nome do famoso instrumentista americano. Alex Tassel, acompanhado de seu flugelhorn (instrumento de sopro do grupo dos metais da família dos trompetes, com um timbre diferenciado, mais suave, com afinação em Si bemol) valorizou a liberdade em sua apresentação, mostrando improviso e dando espaço para cada instrumentista expor um solo, o entrosamento com o público se deu de forma natural tornando o concerto vibrante.

Por Milena Freitas

Fotos: Renato Spencer e Andre Sampaio
http://www.flickr.com/photos/mimofestival

MR.Groove

Nenhum comentário:

Postar um comentário