terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Entrevista - Rodrigo Brandão


Referência no cenário do Rapper nacional, vocalista da Mamelo Sound System, ex-VJ apresentador do Yo! MTV Raps e idealizador do Indie Hip Hop, Rodrigo Brandão nos concedeu uma breve entrevista falando dos seus novos projetos e das sonoridades que fazem parte de sua inspiração, confira!


M.G. - Quais as suas influencia musicais?

R.B. - Vixxxe... , posso falar por horas seguidas e ainda vou ser injusto com muita gente brilhante, sabe? Toda a gama de estilos da diáspora fala a minha alma. Nesse instante, por exemplo, penso em Gil Scott-Heron, Patti Smith, Pedro Santos, Anti-Pop Consortium, Basquiat, Funkadelic, Horace Andy, Shabazz Palaces, Chico Science, Tony Allen e Erykah Badu. Mas poderia ter sido Linton Kwesi Johnson, Clara Nunes, Beastie Boys, Coltrane, The Cramps, Jim Jarmush, Tim Maia, Tricky, Otis Redding, Black Alien & Speed, Billie Holiday, e Wu-Tang Clan.

M.G. - Como é o seu processo de criação de rimas?

R.B. - Algumas rimas são cerebrais, tem vez que a gente tem que ir atrás delas, e noutras o verso simplesmente vem até você. Aí são as sensoriais. Essas são as melhores, quando os espíritos sopram tudo no meu ouvido!

M.G. - O que você tem escutado hoje em dia na música nacional?

R.B. - Muita música antiga sou viciado em vinil. Samba-jazz e afro são as avenidas, mas Nelson Ângelo & Joyce, Paêbiru, Arthur Verocai, Gal Fa-Tal, Acabou Chorare... tudo isso faz o maior bem pra mim. Músicas como Canto de Ossanha, Nanã, Reza, e Canto de Xangô realmente me emocionam muito, sempre. A Flora Purim também é uma das vozes mais arrebatadoras que já ouvi. Não sou Airto, mas amo ela, mano.

De coisa atual, tô chapando no novo do São Paulo Underground, no Metá-Metá, e a Luisa Maita cantando pra Xangô no show da Goma-Laca q também participei uns dias atrás ainda tá ecoando na mente.

A rapaziada do Hurtmold (M. Takara 3, Bodes & Elefantes, Chankas, MDM, Responsi Piritura, e tal) eu trinco. Elo Da Corrente, sem dúvida. E mais alguns MCs campeões, como Espião, Doncesão, Pizzol, Rincón, Sombra e Ogi. A turma do Kiko Dinucci, Juçara Marçal, Thiago França, Marcelo Cabral, Rodrigo Campos também.

M.G. - Como estão as atividades com o Mamelo Sound System?

R.B. - Difusas porém intensas. Desde o acidente em 2008 que deixou Scotty Hard, nosso produtor e irmão de outra mãe, na cadeira de roda, os planos de um novo disco do grupo entraram em hiato por tempo indeterminado. E aí cada um tá aproveitando pra se dedicar a outros trabalhos, desenvolver idéias e formações novas, o q tá sendo coisa muito boa também, apesar de ter começado por um motivo tão triste.

M.G. - Fale um pouco do seu projeto com M.Takara.

R.B. - É formosura pura, segue seu caminho pela trilha da espontaneidade, assim como nasceu. A gente respeita esse tempo próprio q a música precisa pra maturar, sem perder o passo na construção. Sinto que tem muita gente comendo banana verde hoje em dia, ao invés de deixar a coisa ser, antes de botar no Face.

M.G. - Como foi a fusão sonora com grandes nomes do cenário da música nacional e mundial no projeto Ekundayo?

R.B. - Foi, e segue sendo, uma alegria imensa! Respirar o ar de gente que mudou a minha vida, como Naná e Mike Ladd, ao redor de grandes amigos e parceiros talentosos como Rob Mazurek, Mauricio, Lurdez da Luz e Granado está entre os maiores tesouros que esse mundo pode oferecer a um Mendigo-Rei. Sem falar na participação a distância do querido e já citado Scotty, que fez toda diferença no resultado final. Amor é o sentimento que emana desse disco, que seja contagiante pros ouvintes!

M.G. - Quais são os seus projetos pro ano de 2012?

R.B. - Se o Dr. Destino deixar, a busca é lançar o disco com M. Takara, descolar outra criança, ler a biografia do Fela Kuti, festejar o Fim Do Mundo noutro canto do Cosmos, conseguir o vinil do Tribo Massahi e tocar com Dengue + Embolex na Funarte dia 03/03. Cola lá, vai ser da hora.

Agradecimentos finais:

A Piri & Omotunde, todos Orixás e entidades ancestrais afro-brasileiras, Creize & Jojo, ao Mano Brown, ao Fabio Massari, o Laerte, ao café do Seu Cláudio, a VLOK, DOOM, Pam Grier e Vera Fisher. A quem sintoniza na música que passa por mim pra chegar no Ayê.

Consuma:

http://soundcloud.com/gorilaurbano

www.twitter.com/mcgorilaurbano

http://ekundayo.ropeadope.com/album/ekundayo


MR.Groove

Nenhum comentário:

Postar um comentário