terça-feira, 25 de setembro de 2012

Coquetel Molotov 2012 - Cobertura

                               Sexta Feira 21/09
Os Sertões
Abrindo a primeira noite de shows do Festival No Ar Coquetel Molotov 2012, Os Sertões, trabalho solo do ex-integrante do Cordel do Fogo Encantado, Clayton Barros, trazendo aos presentes um repertorio montando em cima do seu disco de estreia “A idade dos metais”. Com uma intensidade sonora bem aceita pelos publico em geral e um entrosamento visível com o restante do grupo, entoou o coro da galera em algumas músicas, o que chamou atenção foi a cenografia do palco com um enorme pai­nel com a capa do seu novo disco, muito bela por sinal.

Lucas Santtana
Na sequencia quem subiu ao palco foi Lucas Santtana, fez um show diferente do que já foi visto por essa redatora, mesclou hits do seu novo disco “O Deus Que Devasta Mas Também Cura” com músicas antigas, um pouco confuso para quem esperava uma apresentação com repertorio totalmente novo. 

Rain Machine

Rain Machine eletrizou o publico Pernambucano com muita influên­cia de jazz e ele­trô­nico em seu show, extraindo uma sonoridade pesada de sua guitarra Kyp Malone fez estremecer as paredes do teatro da UFPE com sua voz potente.

Siba

Publico 
Encerrando a primeira noite do festival o Pernambucano Siba, começou sua apresentação detonando nos ouvidos da plateia a sua metralhadora poética armada em cima de músicas do seu novo trabalho “Avante”, “Ariana”, “Preparando o Salto”, “Bravura e Brilho” foram as primeiras baladas. Uma das melhores apresentações que já vi na cidade de Recife, até melhor do que o seu show de estreia na Rua da Moeda, dever ter sido o abraço fraterno do festival e a sintonia com o publico local.


                                   Sábado 22/09
Vitor Araujo
Abrindo a segunda noite do Festival No Ar Coquetel Molotov 2012, o pianista local Vitor Araújo, com uma proposta visual cri­ada pelo desig­ner Raul Luna, Vitor Araújo comunicou-se com a pla­teia atra­vés de um telão, contou também com a par­ti­ci­pa­ção de uma pequena orquestra em sua belíssima apresentação.

Thiago Petit
Em seguida que subia ao palco foi Thiago Pethit, explo­rando o repertorio do seu show em cima de músicas do seu novo disco “Estrela Decadente”, entoou o coro do publico com os hits “Devil In Me”, “Pas des Deux” e “Nightwalker”. Participando pela segunda vez do festival, Thiago Pethit mostrou desenvoltura e maturidade sonora, um artista que amadurece musicalmente a cada dia, um prato cheio para nossos ouvidos.

Blonde Redhead
Na sequencia os norte-americanos do Blonde Redhead, gui­tarras e muita dis­tor­ção mostraram a força do grupo nas terras de Chico Science. O interessante do Coquetel Molotov é sempre acertar na escolha das atrações internacionais, e Blonde Redhead foi uma das melhores escolhas feitas neste ano.

Moraes Moreira
Finalizando a ultima noite do festival Moraes Moreira, que trouxe aos presentes um repertorio montado em cima do clássico dos novos baianos “Acabou Chorare” colocou todo teatro pra balançar, o mestre ainda teve desenvoltura para passear em seu repertorio, e entre o frevo e bis, o que me emocionou mesmo foi o final com Luiz Gonzaga.

Mais uma vez o Festival No Ar Coquetel Molotov mostrou toda a sua estética eclética, firmando-se em mais um ano como um dos melhores festivais de música do país, pra mim é um prazer explosivo todo ano participar desse coquetel.

Por Marília Morais

Fotos: Flora Pimentel

Visitem:

Mr.Groove

Nenhum comentário:

Postar um comentário