quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Festival LAB 2012 - Cobertura

Publico
O “Maloka Groove” escreve hoje sobre o 1º dia do festival mais interessante da cena musical alagoana. Este que acontece há quatro anos na capital, tornou-se interessante por ser vanguarda e mostrar o que tem de recente na música contemporânea, além de ser independente.

Som acolhedor com violões suaves, cenário leve e público comportado, assim aconteceu a 1ª noite do Festival LAB, no Espaço Linda Mascarenhas localizado na AV Fernandes Lima, em Maceió. Em meio a um dia enfadado onde não se esperava nada muito atrativo na cidade, o que tinha tudo pra ser uma noite monótona, aconteceu como um “achado” dominical de termino eleitoral. Uma noite linda organizada e de contemplações, essa é a palavra da noite, contemplação!

O publico compareceu preenchendo bem os espaços, poucas cadeiras vagas, algumas pessoas de pé, muitos casais e suspiros apaixonados. Pois bem, confesso que fui com poucas expectativas do que iria ver, pois conhecia um pouco do trabalho de Momo e nada da música de Gonzalo Deniz. 

 Momo


Quem abriu a noite foi Momo, projeto musical encabeçado por Marcelo Frota, o homem que se diz romântico (e de fato, é) chegou meio tímido no palco que havia apenas uma cadeira e uma cortina feita de barquinhos de papel. Muitos devem ter se perguntado, cadê os instrumentos?  E para a surpresa, Momo subiu ao palco sem banda, só com sua voz suave e violão. Deixou o publico encantado com a delicadeza de suas letras. 

E eu que só havia ouvido o álbum “buscador” cheio de baterias e solos de guitarra, achei a versão acústica mais envolvente e perceptiva.

O clima estava ótimo e entre uma atuação e outra as pessoas comentavam sobre o desempenho de Momo e dos produtores do festival, estes, tinham um sorriso escancarado no rosto, não é por menos só ouvi relatos bons a respeito da organização. 

Franny Glass


Encerrando a noite, enchendo os corações de melodias e um sotaque latino de apaixonar-se, o músico Gonzalo Deniz, com seu projeto: Franny Glass. Ele que também tocou uma versão acústica deve ter reparado na carinha de contemplação do público ao ouvi-lo tocar. O som de Gonzalo foi um “achado” da noite desse domingo de eleição. A prova disso foi o álbum dele que estava à venda e se esgotou em pouco tempo.

Sabe quando você vai pra um show sem expectativa do que vai rolar? Pois é, eu fui surpreendida e agora só posso esperar o próximo dia de LAB. 

Jul Sousa

Fotos: Jul Sousa

Mr.Groove

Nenhum comentário:

Postar um comentário